O termo Gestor refere-se ao indivíduo, pertencente à uma organização, a quem compete a organização, direção e planejamento com fins à otimização do funcionamento desta organizações através da tomada de decisões racionais e fundamentadas na coleta, tratamento e interpretação de dados e informação. Hoje, na sociedade do conhecimento, pós industrial, o Gestor, por definição,  contribui para o seu desenvolvimento e para a satisfação dos interesses de todos os Stakeholders da empresa e para a satisfação de necessidades da sociedade em geral.

 

Chamamos de Ferramentas de Gestão a diversos “instrumentos” que auxiliam administradores, gestores ou executivos a controlar, medir, melhorar, planejar e organizar. Assim como qualquer “ferramenta”, o segredo está na identificação do instrumento mais adequado e de sua competente utilização.

Importante observar que não basta conhecer a técnica. É preciso saber discernir onde e quando usá-la, pois todo instrumento tem uma finalidade, vantagens desvantagens e características próprias. Você sabe usar um martelo? Um martelo é a ferramenta adequada para fixar um parafuso?

Segundo Deming, 94% de todos os problemas administrativos devem-se a causas comuns que podem ser atribuídas a processos, aos métodos; e apenas 6% podem ser atribuídas aos operários. Ishikawa afirma algo do mesmo nível: 65% a 80% dos problemas que afetam uma empresa são de responsabilidade da gerência, isto é, não são de responsabilidade dos operários. Em ações multidisciplinares e em equipe, as ferramentas de produtividade e gestão fazem o papel de procedimento e padrão, mas não solucionam magicamente um problema. Apenas ajudam a identificá-lo, definir e acompanhar providências e avaliar soluções, resultados e prevenções.

Por fim é importante observar que o uso de ferramentas administrativas dissociado de uma cultura adequada não costuma trazer resultados duradouros.