TEMOS MUITO MAIS A COMEMORAR QUE UM SIMPLES MILÊNIO

 

As pessoas, em geral, comemoram datas e não acontecimentos. Desprezam o valor, a essência e ficam apenas e tão somente com a tradição comum a todos e perdida no tempo. O último dia de 1999 é grande e triste exemplo disso.

Por José Mário Orlandi 

biblioteca2.png

#josemarioorlandi

#mercadologicacm

 

 

 

Publicado em 31 de dezembro 1999

21h30 

As pessoas, em geral, comemoram datas e não acontecimentos. Desprezam o valor, a essência e ficam apenas e tão somente com a tradição comum a todos e perdida no tempo. O último dia de 1999 é grande e triste exemplo disso.

Toda passagem de ano serve para “comemorar” o fim de um ciclo de 365 dias que, muitas vezes, nos foi ingrato ou, no mínimo, pouco representativo. Dizemos: “Que bom que este ano já se foi, o próximo será diferente, melhor, mais próspero e feliz para todos, viva o ano novo...” Quando fazemos isso estamos reforçando o negativo e, em muitos momentos, desprezamos a comemoração do positivo.

Muitas vezes, tememos comemorar a conquista de um novo carro, uma nova casa, nosso sucesso profissional e muitas outras vitórias. Essas sim, merecedoras de nossa atenção pois custaram momentos difíceis, noites de dúvidas, intermináveis dias de espera. Desde os tempos antigos, celebrar um triunfo faz parte do próprio ritual da vida. A comemoração marca o final de uma etapa, sempre pessoal, particular, única. Se a evitarmos (e por incrível que pareça, muita gente evita por medo de decepção, de atrair "mau-olhado", “olho gordo”, inveja etc.) não estamos nos beneficiando do melhor presente que a vitória nos dá: confiança.

É comum “esquecermos” de comemorar os ciclos mais penosos e cujo objetivo alcançado nos deram mais satisfação. Seja aquele mês, ano ou anos que economizamos, estudamos ou nos sacrificamos por algo que nos era caro e tão pessoal quanto possa ser. Deixamos passar em branco as melhores oportunidades para olharmos para traz e fazermos, aí sim, uma avaliação de tudo que passamos e o quanto lutamos para chegar até ali.

Não é o fim do século nem tão pouco do milênio. Talvez todo nosso calendário esteja errado e a data hoje comemorada já tenha se passado a muito. Não deixe de comemorar a entrada de um novo ano, de um novo século ou do novo milênio, aproveite a data para estar com os seus e para festejar com todos o progresso da humanidade, mas lembre-se sempre de valorizar seu ciclo particular, suas vitórias pessoais suas conquistas particulares. Celebre sempre suas pequenas vitórias, por mais insignificante que pareçam. Amanhã, uma nova luta se aproxima e irá exigir toda sua atenção e esforço. E a lembrança de uma vitória sempre ajuda a ganhar a próxima batalha.

Quando você ganhar, comemore: é um importante rito de passagem.